| Instalação | PODRIFICACIÓN | 2001
 

_________________________________________________________________________________________________________________________

| Podrificación | Carlos Sena Caires

| Palavras-chave | Inferno | Demónios | Anjos | Tenebras | Sonho.

________________________________________________________________________________________________________________

Exposição Colectiva - Vídeo Instalação "PODRIFICACIÓN", com a participação de Susana Jaques e Hélder Dias, Igreja da Universidade de Santiago de Compostela - Galiza, Espanha. Uma curadoria de Monserrat Cea Álvarez.

"Adormeci, frente ao televisor. Quando acordei estava um Anjo ao meu lado. Ele aproximou-se e disse: Anda comigo. Eu quero que vejas o que te espera, jovem incrédulo..

Sem saber como nem porquê, segui o Anjo. Ele guiou-me por caminhos sinuosos até chegarmos a um poço, perto de uma velha igreja. Então perguntei: Porque me achas incrédulo? O Anjo respondeu: Não tentes enganar-te a ti próprio, jovem insensato. A vida existe para além do que imaginas. Se persistires na tua ilusão, só o caminho das trevas aguarda por ti. Mas eu disse: Ensina-me o caminho de que falas, e entregar-me-ei, para ver se o que dizes é verdade. E ele respondeu: A ironia só te conduzirá a lugares bem piores. Segue-me por este poço e enquanto descemos, pensa na tua Salvação..

Assim, descemos pelo poço abaixo, até chegarmos à escuridão absoluta. De cabeça para baixo nada vislumbrava. Continuamos a descer, debaixo de nós um vazio imenso, tenebroso. Ao chegarmos às raizes de árvores, o Anjo parou e disse: Vês aquela luz lá ao fundo? É a luz das trevas. O único sítio por onde irás com a tua teimosia. Observa bem.

________________________________________________________________________________________________________________

Lá no fundo, ainda a minha visão estava a habituar-se à escuridão, comecei a vislumbrar a luz de que falava o Anjo. Era uma luz muito ténua, de cor negra. Umas formas escuras. De vez em quando uma nuvem e um fogo irrompiam da escuridão. Sentia um frenesim constante. Um som crispante. Após alguns segundos consegui observar uns animais rastejantes, na imensidão do vazio. Eram aranhas. Eram enormes, atropelavam-se e comiam-se umas às outras nas profundezas infinitas. Algumas pareciam saltar, na esperança de chegar até nós.

Perguntei ao Anjo o que era aquilo. Este respondeu: São os Teus demónios. É o Teu inferno, a Tua vida eterna prometida. Eles aguardam a tua chegada. Perguntei então se era esse o meu único destino. Se não tinha outra salvação. O anjo respondeu: O Teu destino é a tua Salvação. O Caminho que escolheste viver até agora só tem esta saída.

Os Demónios ajudar-te-ão, salta. Nisto a raíz que me sustentava e impedia de cair, quebrou-se. A minha queda parecia nunca acabar.

O fundo tenebroso era infinito. A queda infinita.