| Instalação Interativa | MURIEL | 2007
 

_________________________________________________________________________________________________________________________

| Muriel | Instalação Vídeo Interactivo | MAC - Museu de Arte Contemporânea do Funchal | Forte de São Tiago | Funchal | Agosto - Setembro 2007.

A instalação teve o apoio logístico da FNAC Madeira.

_________________________________________________________________________________________________________________________

| Muriel ou le temps d´un retour (1963) é a terceira longa metragem de Alain Resnais à partir da qual criamos o projecto Muriel. O enredo começa quando, numa cidade do norte da França, chamada Boulogne-sur-Mer, Hélène Aughain decide repentinamente rever o seu primeiro amor. Este retorno ao passado vem despoletar um sem-fim de emoções contraditórias. As personagens deambulam à procura de si próprias e tentam desesperadamente chegar às origens do seu drama pessoal. O trauma por um amor de juventude perdido, o trauma da guerra de Argélia e o da segunda guerra mundial ressaltam em todo o filme a dificuldade de cada um em se reconstruir, envolvido no peso das suas lembranças.

| Muriel ou le temps d´un retour propõe-se como uma narrativa linear com um início, meio e fim bem marcados. Mas, esta linearidade não é representada por uma linha recta, mas sim uma quebrada, multi-fragmentada. Todo o filme está fraccionado e repleto de elipses, mesmo quando nos encontramos num determinado local e num tempo preciso (i.e. interior casa, dia domingo), a história é contada por secções e múltiplos fragmentos. É um filme em mosaico, uma montagem por partes, que por sua vez reflecte os traumas das personagens.

O primeiro acto passa-se no apartamento de Hélène Aughain, local de venda de móveis antigos, móveis esses que vão e vêm modificando continuamente o seu aspecto interior. Durante este 1º acto, Resnais aproveita a continuidade dos diálogos para destacar o espaço físico do apartamento (os seus recantos, o candeeiro, uma cadeira, uma mesa, etc.),  através de uma montagem alternada que resulta inovadora para a época.

Em Muriel, colocamos cada sequência fílmica num espaço tridimensional virtual que corresponde ao posicionamento da câmara aquando da filmagem. Compete-lhe ao espectador deslocar-se nesse ambiente virtual, ocupando a melhor posição, para poder visionar cada plano e seguir a história.